• Ouvidoria
  • LEILÃO BENEFICENTE
  • HCR Histórias
  • Resultado de Exames
    Centro de Diagnóstico HCR
    CLIQUE E CONHEÇA

    Notícias e Eventos

    Medicamentos para tratamento do Covid-19 ainda estão em fase de teste

    Recentemente várias notícias foram veiculadas referente aos medicamentos que contêm hidroxicloroquina e cloroquina para o tratamento da Covid-19.  A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) veio a público trazer alguns esclarecimentos acerca do tema. Conforme entrevista à assessoria do HCR, Luci Bavaresco, Farmacêutica do Hospital Cristo Redentor, explicou sobre os perigos da automedicação e a indicação adequada do uso destes medicamentos.


    “A Anvisa recebeu relatos de que a procura pela hidroxicloroquina aumentou depois que algumas pesquisas indicaram que este produto pode ajudar no tratamento da Covid-19. Apesar de alguns resultados promissores, não há nenhuma conclusão sobre o benefício do medicamento no tratamento do novo corona vírus. Os medicamentos seguem em fase de testes em paciente internados e com sintomas mais graves da doença. Portanto o momento é de cautela quanto ao uso destes medicamentos. Eles podem causar muitas reações adversas e serem perigosos caso não sejam utilizados de maneira correta e conforme orientação médica”, explicou.


    Os medicamentos citados acima são registrados pela Agência especialmente para o tratamento da artrite, lúpus eritematoso, doenças fotossensíveis e malária.   Conforme Luci Bavaresco, “apesar de promissores, não existes estudos conclusivos que comprovam o uso dos mesmos para o tratamento da Covid-19, e que, portanto, não há recomendação da Anvisa, no momento, para a sua utilização em pacientes infectados ou mesmo como forma de prevenção à contaminação pelo novo coronavírus”.


    Além disso, a farmacêutica ressalta sobre os graves riscos à saúde que automedicação pode acarretar: “É preciso sempre a orientação médica para o uso de qualquer medicamento. Com a hidroxicloroquina e a cloroquina não é diferente”.

    Anvisa enquadrou os dois medicamentos como controle especial, para evitar que pessoas que não precisam realmente deles, provoquem um desabastecimento no mercado. 



    IMAGEM: Meramente ilustrativa

     

     

     

    Compartilhe: